Elimine custos com juros ao refinanciar, vender ou quitar empréstimo

Elimine custos com juros ao refinanciar, vender ou quitar empréstimo
Gostou? Então Vote!

O empréstimo consignado se tornou uma das melhores opções de crédito disponível no mercado atualmente, só para ter uma ideia, para eliminar juros de operações anteriores mais caras basta refinanciar ou quitar empréstimos vendendo-os para outra instituição, além disso a portabilidade entre bancos está começando andar.

refinanciar, vender ou quitar empréstimo
Quem possui um ou mais empréstimos sendo descontados na folha de pagamento ou na conta corrente, em um determinado período o custo com juros pode ficar oneroso para o mutuário, e nessa hora o essencial é reduzir esses custos.

Vender, refinanciar ou quitar empréstimo?

É possível refinanciar, vender ou quitar empréstimos para diminuir os juros? Claro, vamos ver as possibilidades.

Para os casos de pagamentos de parcelas de empréstimos que estão custando mais caro agora que no momento que foram contraídos, até dá para ganhar uma boa grana diminuindo esses juros com três operações distintas uma da outra.

Mas antes de fazer qualquer tipo de operação financeira precipitada que acabe fazendo o custo total ficar ainda mais elevado, vamos ver aqui como fazer essas operações com segurança.

Vale mencionar que a maioria das pessoas economicamente ativas mais cedo ou mais tarde acabam pedindo dinheiro emprestado para bancos ou financeiras em algum momento de suas vidas independente da finalidade, mesmo que seja apenas para cobrir despesas essenciais do dia a dia, até para garantir o crédito necessário para compra da casa própria.

“Os empréstimos servem para garantir recursos financeiros quando são solicitados”

Uma grande parte dos cidadãos brasileiros possuem crédito aprovado para pegar empréstimos, e em certas ocasiões específicas fazer essa operação pode vir a calhar, no entanto, os pagamentos devolvidos em forma de parcelas às instituições são acrescidos de juros mais taxas adicionais que muitas das vezes são muito altas.

E por falar em taxas de juros, sabemos que sempre há mudanças no cenário econômico e com isso o juro pode mudar tanto para baixo quanto para cima.

As taxas de juros estão estáveis no momento, mas se comparadas com anos atrás, estão muito mais acessíveis e o crédito facilitado.

Outro detalhe importante, na rede bancária e nas financeiras o normal é que empréstimos sem garantias tipo: crédito bancário, cheque especial, crédito direto, crédito ao consumo, capital de giro, consignados etc, ou pré-aprovados, sejam contraídos com base em taxas de juros fixa, ou seja, as parcelas são iguais do início ao final.

Bom, vamos ao que interessa, existe algumas maneiras de você reduzir o custo do seu empréstimo atual, mas você precisa ser cauteloso para não acabar entrando numa fria e pagando mais caro em uma operação frustrada. Vamos ver o que pode ser feito:

1 – Pagar parcelas antecipadas do empréstimo de trás para frente.
2 – Quitar o empréstimo integralmente antes do término do contrato.
3 – Portabilizar o empréstimo para outra instituição com taxa menor.
4 – Refinanciar o empréstimo atual com taxas de juros mais baixas.
5 – Vendar a divida do empréstimo para outro banco ou financeira.

#1 – Multa contratual para quitar empréstimo

Você já saber que ao contratar um empréstimo consignado ou pessoal, a instituição deposita para você uma certa quantia e espera receber dentro do prazo acertado os juros pelo dinheiro emprestado.

Primeiro você deve entender que a redução do custo do seu empréstimo atual não vai ser tão simples como quitar a fatura do seu cartão de crédito. Em alguns casos você poderá ser atingido com uma série de obrigações contratuais que vão lhe custar muitas dores de cabeça.

Por exemplo: ter que pagar taxas adicionais ou fazer novas avaliações no caso de imóveis e custos com novas perícias em refinanciamento de veículos.

“Existem contratos de empréstimos antigos que impõe prazos mínimos de pagamento para quitação e taxa de reembolso antecipado para quem quer liquidar o contrato antes da data do término”. É ilegal!

Podem também conter cláusulas, termos e condições no seu contrato de empréstimo que reduzam as chances de pagá-lo “antecipadamente”, é bom dar uma boa lida no seu contrato antes de querer reduzir os custos com juros, quitá-lo ou trocar de banco.

Verifique os termos antes de realizar qualquer ação, se constatar irregularidades nas cláusulas procure seus direitos onde for necessário.

#2 – Calcule quanto vai custar ou sobrar em dinheiro

Se você pretende pagar o seu empréstimo quitando-o completamente com dinheiro próprio, os descontos com a liquidação chega até 25% do saldo devedor graças a eliminação de parte dos juros.

Também é possível quitar empréstimo com dinheiro de outra instituição utilizando uma operação chamada “compra de divida”, é sempre bom considerar o que mais vale a pena.

“Refinanciar usando taxas de juros atuais pode ser uma boa alternativa”

Obs: Em ambas as operações, tanto refinanciar quanto vender a divida de empréstimos vai resultar numa economia substancial de dinheiro.

Abaixo relacionei 7 passos simples que você precisa entender antes de ir em frente:

1º. passo: Saiba qual taxa de juros atual e a que você está pagando.
2º. passo: Se informe quanto é seu saldo devedor.
3º. passo: Saiba quanto resta do saldo total a ser pago no contrato atual.
4º. passo: Descubra quanto vai ter de desconto na quitação ou antecipação.
5º. passo: Simule um novo empréstimo com juros atuais para refinanciar.
6º. passo: Encontre um banco com boas taxas para comprar seu empréstimo.
7º. passo: Calcule o que vale a pena – vender, quitar ou refinanciar.

Você está pensando em usar suas economias para pagar o seu empréstimo em andamento? Fazer isso não apenas vai acabar com a divida por completo como também vai diminuir o saldo devedor gerando um desconto que vale muito a pena.

Se estiver pensando em diminuir as taxas de juros antigas e mais caras, procure seu banco para refinanciar ou encontre um banco que compre suas dividas aplicando juros mais baixos que a do contrato antigo.

#3 – Encontrar um banco ou financeira apropriado

Procure até encontrar uma instituição disposta em emprestar o dinheiro necessário e da forma que você precisa para eliminar juros mais caros dos empréstimos existentes.

No mercado temos inúmeros bancos que refinanciam e compram dividas de empréstimos: BMG, Daycoval, Safra, Bonsucesso, BV Financeira, Paraná banco, BGN, Pan, Mercantil entre outros.

Você pode usar a transferência de dividas para conseguir alguns benefícios extras e taxas diferentes dos empréstimos antigos, porém são poucos bancos realmente habilitados ou capazes em realizar essa operação. Confirme no seu banco.

Nota: “Os empréstimos imobiliários são mais propensos para realizar a portabilidade”

Tenha sempre em mente que quando você precisar de dinheiro extra ou desejar simplesmente reduzir juros, obtenha cotações em diversas instituições financeiras e promotoras de crédito para saber que juros eles podem te oferecer.

#4 – Veja o que realmente vale a pena

Se você esta precisando de dinheiro agora e o custo total de um novo empréstimo é menor que o custo pago nas operações de empréstimos em andamento, vale muito a pena ir em frente e concluir uma contratação de “refin”, ou “quitar empréstimo” com a venda do contrato.

Casos à parte: Parece até loucura, mas contratar um novo empréstimo e usá-lo para quitar empréstimos existentes é possível sim, nesse caso, contrate um crédito consignado, os juros deste tipo de crédito está entre 1,31% e 2,14% ao mês contra 8,9%, média do crédito pessoal bancário. Faça as contas!

Espero que esse artigo tenho ajudado você entender o que pode ser feito para eliminar custos com juros mais altos com novas operações de empréstimos.

Comente suas experiências, elas poderão auxiliar milhares de pessoas.